quarta-feira, 27 de abril de 2011

A Auditoria em RH e sua importância para a nova Gestão de Pessoas

Em meio às adversidades do cenário atual, global e altamente competitivo, as organizações, cada vez mais, são premidas a adotar medidas e técnicas de acompanhamento e controle, na perspectiva de minimizar falhas e evitar problemas que possam oferecer risco a imagem da entidade juntos aos seus Stakeholders e ao mercado em geral.
A materialização e a aplicação de diversos mecanismos de controle através de auditorias, internas ou externas, revelam uma nova postura corporativa que visam não só detectar e mensurar possíveis problemas, mas, principalmente, estabelecer um processo educativo, de prevenção, para além do oferecimento de soluções corretivas e/ou punitivas.
De grande abrangência, a auditoria teve sua origem, segundo alguns historiadores, no período pré-cristão, aproximadamente 4500 a.C, afirmação sustentada por investigações arqueológicas realizadas nos registros da família real de Urukagina e no templo sacerdotal sumeriano (DE SÁ, 1998).
Outras investigações sobre o assunto apontam ter sido na Roma Antiga o início dessa atividade, época na qual os governantes e administradores nomeavam altos funcionários encarregados de fiscalizar ou supervisionar operações econômico-financeiras do Império Romano (GIL, 1992).
Mesmo se constituindo matéria que demanda certa discussão, foi no período da grande recessão econômica americana, em 1929, que a auditoria teve um grande avanço. Em meio à crise, foi criado o Comitê May (Security and Exchange Comission), que formado por notáveis e competentes profissionais, tinha a missão de tornar obrigatória a Auditoria Externa em todas as empresas americanas com ações na bolsa de valores.
A partir daí, a importância da auditoria tomou corpo em todo o mundo, de modo que, após a assimilação dos métodos e procedimentos pelos funcionários das empresas auditadas, a auditoria passou a ser aplicada internamente de modo mais eficaz, não só na área contábil ou financeira, mas também, na área de gestão ou Recursos Humanos.
Tida como um exame analítico e pericial, ou medição dos sistemas de Recursos Humanos, a Auditoria em Recursos Humanos tem a finalidade de prevenir ou corrigir as falhas ou apontar soluções de enfrentamento aos obstáculos encontrados nessa área das organizações que cuida das pessoas. Como uma atividade essencialmente especializada, busca investigar, detalhadamente, o sistema de funcionamento da área de Recursos Humanos, com foco na qualidade dos serviços e não somente em rotinas e/ou burocracias.
E como um trabalho de medição e prevenção, através de mecanismos próprios, objetiva impedir ocorrências, como as demandas judiciais e infrações administrativas, ou mesmo divergências internas da empresa, sem, contudo, desprezar o seu caráter orientador e educacional, portanto, jamais punitivo.
Na visão de Chiavenato (2009, p.479) a auditoria de RH se conforma como “a análise das políticas e práticas de pessoal de uma organização e avaliação do seu funcionamento atual, seguida de sugestões para melhorias”. Logo, a auditoria de RH deve buscar mostrar o funcionamento do programa, na perspectiva de identificar e localizar condições ou práticas que se mostram prejudiciais ao organismo empresarial, ou que devam ser alteradas ou receber acréscimos.
Por esse entendimento é possível inferir que a finalidade da Auditoria de RH não se restringe a simples avaliação e penalização dos envolvidos, mas também identificar o que está em desacordo, desatualizado ou que demanda ações de melhoramentos ou modernização e, com isso, garantir a não ocorrência ou incidência de erros, deslizes ou deficiências na operacionalização dos processos de RH praticados pela organização.
Desse modo, como sistema de revisão e controle, tem a missão de informar a organização sobre a eficiência e eficácia, de modo especial quando descentralizado, do programa em desenvolvimento, assumindo, por esse viés, papel de grande importância na gestão de RH da atualidade.
Muito obrigado e até breve.
Bibliografia
ATTIE, William. Auditoria: Conceito e Aplicações. São Paulo: Editora Atlas, 1997.
CHIAVENATO, Idalberto. Recursos humanos: o capital humano nas organizações. - 9. ed. - rio de Janeiro: Elsevier, 2009.
GIL, Antonio de Loureiro. Auditoria Operacional e de Gestão. S. Paulo: Editora Atlas, 1992.
DE SÁ, Antônio Lopes. Curso de Auditoria. S. Paulo: Editora Atlas, 1998.

Nenhum comentário:

Postar um comentário